O Que Jesus Ensinou Sobre os Dez Mandamentos? – Parte 1 – Introdução e Sexto Mandamento

Ao longo de seu ministério público, Jesus deu grande importância para os dez mandamentos. Em diversas ocasiões, ele citou, explicou e defendeu os mandamentos do decálogo. Por exemplo, ele citou o decálogo para o jovem rico que lhe perguntou sobre a vida eterna:

MATEUS 19
(16) E eis que, aproximando-se dele um jovem, disse-lhe: Bom Mestre, que bem farei para conseguir a vida eterna?
(17) E ele disse-lhe: Por que me chamas bom? Não há bom senão um só, que é Deus. Se queres, porém, entrar na vida, guarda os mandamentos.
(18) Disse-lhe ele: Quais? E Jesus disse: Não matarás, não cometerás adultério, não furtarás, não dirás falso testemunho;
(19) Honra teu pai e tua mãe, e amarás o teu próximo como a ti mesmo.

Tudo o que Jesus ensinou em seu ministério público sobre sobre o que é certo e o que é errado, sobre o padrão de justiça de Deus e sobre doutrina do arrependimento é sempre uma explicação e uma aplicação de algum mandamento do decálogo (os dez mandamentos). Aliás, um dos mais importantes sermões de Jesus, o Sermão do Monte, não é outra coisa senão uma defesa e exposição dos dez mandamentos.

NÃO VIM DESTRUIR A LEI OU OS PROFETAS

MATEUS 5
(17) Não cuideis que vim destruir a lei ou os profetas: não vim ab-rogar, mas cumprir.
(18) Porque em verdade vos digo que, até que o céu e a terra passem, nem um jota ou um til se omitirá da lei, sem que tudo seja cumprido.
(19) Qualquer, pois, que violar um destes mandamentos, por menor que seja, e assim ensinar aos homens, será chamado o menor no reino dos céus; aquele, porém, que os cumprir e ensinar será chamado grande no reino dos céus.
(20) Porque vos digo que, se a vossa justiça não exceder a dos escribas e fariseus, de modo nenhum entrareis no reino dos céus.

Logo no início do Sermão do Monte, Jesus explica que seu objetivo no sermão não é ab-rogar a lei. O que Jesus diz no verso 19 é uma consequência lógica do que ele diz no verso 18. No verso 18, ele diz que toda a lei era importante e ele enfatiza isso dizendo que “nem um jota ou um til se omitirá da lei”. Quando ele diz, no verso 18, “um jota ou um til”, isso é equivalente ao que ele diz no verso 19: “por menor que seja”. Ou seja, os mandamentos que devem ser cumpridos e ensinados aos homens (v. 19) são os mandamentos da lei (v. 18), mesmo os que podem parecer pequenos e de pouca importância. Por isso, o resto do sermão só pode ser entendido como uma defesa e explicação dos mandamentos, nunca como uma anulação ou alteração dos mandamentos.

Mas por que Jesus enfatizou isso no início do sermão? O verso 20 explica o motivo: “Porque vos digo que, se a vossa justiça não exceder a dos escribas e fariseus, de modo nenhum entrareis no reino dos céus.” Ou seja, os escribas e fariseus eram os mestres que cometiam os erros condenados nos versos 17-19. A doutrina dos escribas e fariseus ab-rogava a lei, omitia as coisas da lei e levava os homens a descumpri-la. Em outras ocasiões, Jesus levantou a mesma acusação contra eles:

MATEUS 15
(1) Então chegaram ao pé de Jesus uns escribas e fariseus de Jerusalém, dizendo:
(2) Por que transgridem os teus discípulos a tradição dos anciãos? pois não lavam as mãos quando comem pão.
(3) Ele, porém, respondendo, disse-lhes: Por que transgredis vós, também, o mandamento de Deus pela vossa tradição?
(4) Porque Deus ordenou, dizendo: Honra a teu pai e a tua mãe; e: Quem maldisser ao pai ou à mãe, certamente morrerá.
(5) Mas vós dizeis: Qualquer que disser ao pai ou à mãe: É oferta ao Senhor o que poderias aproveitar de mim; esse não precisa honrar nem a seu pai nem a sua mãe,
(6) E assim invalidastes, pela vossa tradição, o mandamento de Deus.

MARCOS 7
(1) E ajuntaram-se a ele os fariseus, e alguns dos escribas que tinham vindo de Jerusalém.
(2) E, vendo que alguns dos seus discípulos comiam pão com as mãos impuras, isto é, por lavar, os repreendiam.
(3) Porque os fariseus, e todos os judeus, conservando a tradição dos antigos, não comem sem lavar as mãos muitas vezes;
(4) E, quando voltam do mercado, se não se lavarem, não comem. E muitas outras coisas há que receberam para observar, como lavar os copos, e os jarros, e os vasos de metal e as camas.
(5) Depois perguntaram-lhe os fariseus e os escribas: Por que não andam os teus discípulos conforme a tradição dos antigos, mas comem o pão com as mãos por lavar?
(8) Porque, deixando o mandamento de Deus, retendes a tradição dos homens; como o lavar dos jarros e dos copos; e fazeis muitas outras coisas semelhantes a estas.
(9) E dizia-lhes: Bem invalidais o mandamento de Deus para guardardes a vossa tradição.
(10) Porque Moisés disse: Honra a teu pai e a tua mãe; e quem maldisser, ou o pai ou a mãe, certamente morrerá.
(11) Vós, porém, dizeis: Se um homem disser ao pai ou à mãe: Aquilo que poderias aproveitar de mim é Corbã, isto é, oferta ao Senhor;
(12) Nada mais lhe deixais fazer por seu pai ou por sua mãe,
(13) Invalidando assim a palavra de Deus pela vossa tradição, que vós ordenastes. E muitas coisas fazeis semelhantes a estas.

Por isso, quando fazemos o que Jesus manda fazer, que é cumprir e ensinar os mandamentos da lei, a nossa justiça excede a dos escribas e fariseus (Mateus 5:20). Em Mateus 15 e Marcos 7, Jesus criticou os escribas e fariseus especificamente por não cumprir e não ensinar corretamente a guarda do quinto mandamento: “Honra a teu pai e a tua mãe” (Êxodo 20:12). No Sermão do Monte, ele faz o mesmo tipo de crítica em relação a outros mandamentos do decálogo.

EU, PORÉM, VOS DIGO

MATEUS 5
(21) Ouvistes que foi dito aos antigos: Não matarás; mas qualquer que matar será réu de juízo.
(22) Eu, porém, vos digo que qualquer que, sem motivo, se encolerizar contra seu irmão, será réu de juízo; e qualquer que disser a seu irmão: Raca, será réu do sinédrio; e qualquer que lhe disser: Louco, será réu do fogo do inferno.

Aqui Jesus citou o sexto mandamento: “Não matarás” (Êxodo 20:13). Quando ele diz, no verso 22, “Eu, porém, vos digo“, ele não estava dando um mandamento novo e também não estava anulando ou alterando o significado do sexto mandamento. O que ele estava fazendo era explicar e defender o verdadeiro significado do sexto mandamento em contraste com o falso ensino dos escribas e fariseus – um significado que o mandamento sempre teve. Sabemos disso por dois motivos principais:

1. Nos versos 17-19, ele disse que, até o fim do mundo, os mandamentos da lei continuariam tendo que ser obedecidos. Se ele tinha acabado de dizer que os mandamentos da lei continuariam tendo que ser obedecidos até o fim do mundo qual é o sentido de dizer que ele estava, logo em seguida, anulando aquela lei para dar uma nova?

2. O que Jesus diz no verso 22 já era ensinado no Velho Testamento. Se o que Jesus já era ensinado no Velho Testamento, qual é o sentido de dizer que ele estava dando uma lei nova ou que ele estava alterando o sentido da lei que existia? Se ele estivesse dando uma lei nova – uma lei que não existia antes – não seríamos capaz de encontrar a mesma lei no Velho Testamento. Se encontramos a mesma lei no Velho Testamento é porque Jesus estava ensinando o mesmo mandamento que já existia no Velho Testamento.

Portanto, Jesus não estava anulando ou alterando os mandamentos antigos, mas estava explicando-os e defendendo-os contra a falsa doutrina dos escribas e fariseus. Em Mateus 5:21, Jesus não cita o sexto mandamento para alterá-lo, mas para explicar seu verdadeiro sentido, que é o sentido que encontramos na lei e nos profetas.

CORAÇÃO E BOCA

Em Mateus 15 e Marcos 7, onde Jesus criticou os escribas e fariseus por invalidar a lei de Deus, ele ensinou algo muito importante sobre a correta interpretação dos dez mandamentos. Vamos considerar o que ele diz à luz de todo o contexto:

MATEUS 15
(1) Então chegaram ao pé de Jesus uns escribas e fariseus de Jerusalém, dizendo:
(2) Por que transgridem os teus discípulos a tradição dos anciãos? pois não lavam as mãos quando comem pão.
(3) Ele, porém, respondendo, disse-lhes: Por que transgredis vós, também, o mandamento de Deus pela vossa tradição?
(4) Porque Deus ordenou, dizendo: Honra a teu pai e a tua mãe; e: Quem maldisser ao pai ou à mãe, certamente morrerá.
(5) Mas vós dizeis: Qualquer que disser ao pai ou à mãe: É oferta ao Senhor o que poderias aproveitar de mim; esse não precisa honrar nem a seu pai nem a sua mãe,
(6) E assim invalidastes, pela vossa tradição, o mandamento de Deus.
(7) Hipócritas, bem profetizou Isaías a vosso respeito, dizendo:
(8) Este povo se aproxima de mim com a sua boca e me honra com os seus lábios, mas o seu coração está longe de mim.
(9) Mas, em vão me adoram, ensinando doutrinas que são preceitos dos homens.
(10) E, chamando a si a multidão, disse-lhes: Ouvi, e entendei:
(11) O que contamina o homem não é o que entra na boca, mas o que sai da boca, isso é o que contamina o homem.
(12) Então, acercando-se dele os seus discípulos, disseram-lhe: Sabes que os fariseus, ouvindo essas palavras, se escandalizaram?
(13) Ele, porém, respondendo, disse: Toda a planta, que meu Pai celestial não plantou, será arrancada.
(14) Deixai-os; são condutores cegos. Ora, se um cego guiar outro cego, ambos cairão na cova.
(15) E Pedro, tomando a palavra, disse-lhe: Explica-nos essa parábola.
(16) Jesus, porém, disse: Até vós mesmos estais ainda sem entender?
(17) Ainda não compreendeis que tudo o que entra pela boca desce para o ventre, e é lançado fora?
(18) Mas, o que sai da boca, procede do coração, e isso contamina o homem.
(19) Porque do coração procedem os maus pensamentos, mortes [sexto mandamento], adultérios, prostituição [sétimo], furtos [oitavo], falsos testemunhos [nono] e blasfêmias [terceiro].

No verso 19, Jesus cita o decálogo quase na mesma ordem em que aparece em Êxodo 20 e Deuteronômio 5. Ele ensina que os mandamentos do decálogo não são violados somente por meio de nossas ações externas. Eles também podem ser violados no coração, através dos maus pensamentos do coração, e com a boca, isto é, com as palavras (v. 19). No contexto, é importante observar que Jesus se mostra incomodado com o fato de que os fariseus e os próprios discípulos não entendiam isso. “Até vós mesmos estais ainda sem entender?” (v. 16). Ou seja, para Jesus, o que ele estava ensinando não era um assunto novo, mas era um assunto que os fariseus já deveriam saber com base na Escritura do Velho Testamento, que é o que ele cita contra eles nos versos anteriores.

O QUE O VELHO TESTAMENTO REALMENTE DIZIA?

O que Jesus ensinou em Mateus 15, Moisés já tinha ensinado desde os primeiros capítulos de Gênesis:

GÊNESIS 2
(16) E ordenou o SENHOR Deus ao homem, dizendo: De toda a árvore do jardim comerás livremente,
(17) Mas da árvore do conhecimento do bem e do mal, dela não comerás; porque no dia em que dela comeres, certamente morrerás.

GÊNESIS 3
(1) Ora, a serpente era mais astuta que todas as alimárias do campo que o SENHOR Deus tinha feito. E esta disse à mulher: É assim que Deus disse: Não comereis de toda a árvore do jardim?
(2) E disse a mulher à serpente: Do fruto das árvores do jardim comeremos,
(3) Mas do fruto da árvore que está no meio do jardim, disse Deus: Não comereis dele, nem nele tocareis para que não morrais.
(4) Então a serpente disse à mulher: Certamente não morrereis.
(5) Porque Deus sabe que no dia em que dele comerdes se abrirão os vossos olhos, e sereis como Deus, sabendo o bem e o mal.
(6) E viu a mulher que aquela árvore era boa para se comer, e agradável aos olhos, e árvore desejável para dar entendimento; tomou do seu fruto, e comeu, e deu também a seu marido, e ele comeu com ela.

Aqui Moisés chama atenção para o fato de que o primeiro pecado da raça humana não foi o mero ato externo de comer o fruto proibido, mas incluiu também o desejo interior e a cobiça no coração de Eva. Isso é o que Jesus ensinou em Mateus 15: “Porque do coração procedem os maus pensamentos” (v. 19). No capítulo seguinte, em Gênesis 4, Moisés aplicou esse importante princípio ao sexto mandamento:

GÊNESIS 4
(1) E conheceu Adão a Eva, sua mulher, e ela concebeu e deu à luz a Caim, e disse: Alcancei do SENHOR um homem.
(2) E deu à luz mais a seu irmão Abel; e Abel foi pastor de ovelhas, e Caim foi lavrador da terra.
(3) E aconteceu ao cabo de dias que Caim trouxe do fruto da terra uma oferta ao SENHOR.
(4) E Abel também trouxe dos primogênitos das suas ovelhas, e da sua gordura; e atentou o SENHOR para Abel e para a sua oferta.
(5) Mas para Caim e para a sua oferta não atentou. E irou-se Caim fortemente, e descaiu-lhe o semblante.
(6) E o SENHOR disse a Caim: Por que te iraste? E por que descaiu o teu semblante?
(7) Se bem fizeres, não é certo que serás aceito? E se não fizeres bem, o pecado jaz à porta, e sobre ti será o seu desejo, mas sobre ele deves dominar.
(8) E falou Caim com o seu irmão Abel; e sucedeu que, estando eles no campo, se levantou Caim contra o seu irmão Abel, e o matou.

Aqui é dito que Caim matou Abel, o que é uma violação do sexto mandamento. E é dito também que antes de chegar ao ponto de violar o externamente o sexto mandamento, ele já tinha ira em seu coração: “E irou-se Caim fortemente, e descaiu-lhe o semblante” (Gênesis 4:5). Novamente, isso é o mesmo Jesus ensinou: “Porque do coração procedem os maus pensamentos, mortes…” (Mateus 15:19). Como o apóstolo João também ensinou, usando o exemplo de Caim e Abel:

1 JOÃO 3
(11) Porque esta é a mensagem que ouvistes desde o princípio: que nos amemos uns aos outros.
(12) Não como Caim, que era do maligno, e matou a seu irmão. E por que causa o matou? Porque as suas obras eram más e as de seu irmão justas.
(13) Meus irmãos, não vos maravilheis, se o mundo vos odeia.
(14) Nós sabemos que passamos da morte para a vida, porque amamos os irmãos. Quem não ama a seu irmão permanece na morte.
(15) Qualquer que odeia a seu irmão é homicida.

Homicídio é uma violação do sexto mandamento. Aqui João usa o exemplo de Caim e Abel para mostrar que o sexto mandamento não é violado somente por meio de ações externas, mas também é violado no ódio do coração. Isso prova que o ensino de Jesus era o mesmo que Moisés tinha ensinado desde os primeiros capítulos do livro de Gênesis. O mesmo também foi ensinado por Moisés imediatamente depois de falar sobre os dez mandamentos em Deuteronômio 5-6. Quando comparamos as palavras de Moisés em Deuteronômio 5-6 com as palavras de Jesus em Mateus 15, não resta dúvidas de que o que Jesus ensinou era exatamente o que Moisés já tinha ensinado:

DEUTERONÔMIO 5-6
(17) Não matarás.
(18) Não adulterarás.
(19) Não furtarás.
(20) Não dirás falso testemunho contra o teu próximo.
(21) Não cobiçarás a mulher do teu próximo; e não desejarás a casa do teu próximo, nem o seu campo, nem o seu servo, nem a sua serva, nem o seu boi, nem o seu jumento, nem coisa alguma do teu próximo.
(22) Estas palavras falou o SENHOR a toda a vossa congregação no monte, do meio do fogo, da nuvem e da escuridão, com grande voz, e nada acrescentou; e as escreveu em duas tábuas de pedra, e a mim mas deu.
(23) E sucedeu que, ouvindo a voz do meio das trevas, e vendo o monte ardendo em fogo, vos achegastes a mim, todos os cabeças das vossas tribos, e vossos anciãos;
(24) E dissestes: Eis aqui o SENHOR nosso Deus nos fez ver a sua glória e a sua grandeza, e ouvimos a sua voz do meio do fogo; hoje vimos que Deus fala com o homem, e que este permanece vivo.
(25) Agora, pois, por que morreríamos? Pois este grande fogo nos consumiria; se ainda mais ouvíssemos a voz do SENHOR nosso Deus morreríamos.
(26) Porque, quem há de toda a carne, que ouviu a voz do Deus vivente falando do meio do fogo, como nós, e ficou vivo?
(27) Chega-te tu, e ouve tudo o que disser o SENHOR nosso Deus; e tu nos dirás tudo o que te disser o SENHOR nosso Deus, e o ouviremos, e o cumpriremos.
(28) Ouvindo, pois, o SENHOR as vossas palavras, quando me faláveis, o SENHOR me disse: Eu ouvi as palavras deste povo, que eles te disseram; em tudo falaram bem.
(29) Quem dera que eles tivessem tal coração que me temessem, e guardassem todos os meus mandamentos todos os dias, para que bem lhes fosse a eles e a seus filhos para sempre.
(30) Vai, dize-lhes: Tornai-vos às vossas tendas.
(31) Tu, porém, fica-te aqui comigo, para que eu a ti te diga todos os mandamentos, e estatutos, e juízos, que tu lhes hás de ensinar, para que cumpram na terra que eu lhes darei para possuí-la.
(32) Olhai, pois, que façais como vos mandou o SENHOR vosso Deus; não vos desviareis, nem para a direita nem para a esquerda.
(33) Andareis em todo o caminho que vos manda o SENHOR vosso Deus, para que vivais e bem vos suceda, e prolongueis os dias na terra que haveis de possuir.
(1) Estes, pois, são os mandamentos, os estatutos e os juízos que mandou o SENHOR vosso Deus para ensinar-vos, para que os cumprísseis na terra a que passais a possuir;
(2) Para que temas ao SENHOR teu Deus, e guardes todos os seus estatutos e mandamentos, que eu te ordeno, tu, e teu filho, e o filho de teu filho, todos os dias da tua vida, e que teus dias sejam prolongados.
(3) Ouve, pois, ó Israel, e atenta em os guardares, para que bem te suceda, e muito te multipliques, como te disse o SENHOR Deus de teus pais, na terra que mana leite e mel.
(4) Ouve, Israel, o SENHOR nosso Deus é o único SENHOR.
(5) Amarás, pois, o SENHOR teu Deus de todo o teu coração, e de toda a tua alma, e de todas as tuas forças.
(6) E estas palavras, que hoje te ordeno, estarão no teu coração.

Compare:

MATEUS 15
(18) Mas, o que sai da boca, procede do coração, e isso contamina o homem.
(19) Porque do coração procedem os maus pensamentos, mortes [sexto mandamento], adultérios, prostituição [sétimo], furtos [oitavo], falsos testemunhos [nono] e blasfêmias [terceiro].

Em Mateus 15:19, Jesus menciona os mesmos mandamentos que Moisés menciona em Deuteronômio 5:17-20. Além disso, em Deuteronômio 5:29 e Deuteronômio 6:6, Moisés ensinou o mesmo que Jesus ensinou, que esses mandamentos tinham que ser obedecidos no coração: “Quem dera que eles tivessem tal coração que me temessem, e guardassem todos os meus mandamentos todos os dias… E estas palavras, que hoje te ordeno, estarão no teu coração“. O mesmo é ensinado muitas outras vezes por Moisés, que cada um dos mandamentos podem ser obedecidos ou violados com o coração e com a boca:

GÊNESIS 6
(5) E viu o SENHOR que a maldade do homem se multiplicara sobre a terra e que toda a imaginação dos pensamentos de seu coração era só continuamente.

GÊNESIS 8
(21) E o SENHOR sentiu o suave cheiro, e o SENHOR disse em seu coração: Não tornarei mais a amaldiçoar a terra por causa do homem; porque a imaginação do coração do homem é desde a sua meninice, nem tornarei mais a ferir todo o vivente, como fiz.

ÊXODO 7
(13) Porém o coração de Faraó se endureceu, e não os ouviu, como o SENHOR tinha falado.

LEVÍTICO 19
(17) Não odiarás a teu irmão no teu coração; não deixarás de repreender o teu próximo, e por causa dele não sofrerás pecado.

DEUTERONÔMIO 4
(29) Então dali buscarás ao SENHOR teu Deus, e o acharás, quando o buscares de todo o teu coração e de toda a tua alma.
(39) Por isso hoje saberás, e refletirás no teu coração, que só o SENHOR é Deus, em cima no céu e em baixo na terra; nenhum outro há.

DEUTERONÔMIO 8
(1) Todos os mandamentos que hoje vos ordeno guardareis para os cumprir; para que vivais, e vos multipliqueis, e entreis, e possuais a terra que o SENHOR jurou a vossos pais.
(2) E te lembrarás de todo o caminho, pelo qual o SENHOR teu Deus te guiou no deserto estes quarenta anos, para te humilhar, e te provar, para saber o que estava no teu coração, se guardarias os seus mandamentos, ou não.

DEUTERONÔMIO 11
(13) E será que, se diligentemente obedecerdes a meus mandamentos que hoje vos ordeno, de amar ao SENHOR vosso Deus, e de o servir de todo o vosso coração e de toda a vossa alma
(18) Ponde, pois, estas minhas palavras no vosso coração e na vossa alma, e atai-as por sinal na vossa mão, para que estejam por frontais entre os vossos olhos.

DEUTERONÔMIO 26
(16) Neste dia, o SENHOR teu Deus te manda cumprir estes estatutos e juízos; guarda-os pois, e cumpre-os com todo o teu coração e com toda a tua alma.

DEUTERONÔMIO 30
(14) Porque esta palavra está mui perto de ti, na tua boca, e no teu coração, para a cumprires.
(15) Vês aqui, hoje te tenho proposto a vida e o bem, e a morte e o mal;
(16) Porquanto te ordeno hoje que ames ao SENHOR teu Deus, que andes nos seus caminhos, e que guardes os seus mandamentos, e os seus estatutos, e os seus juízos, para que vivas, e te multipliques, e o SENHOR teu Deus te abençoe na terra a qual entras a possuir.

UM MANDAMENTO ANTIGO

Quando Jesus disse no Sermão do Monte que “qualquer que, sem motivo, se encolerizar contra seu irmão, será réu de juízo” (Mateus 15:22), ele está falando sobre a violação do sexto mandamento no coração, como fez Caim: “E irou-se Caim fortemente, e descaiu-lhe o semblante” (Gênesis 4:5). “Porque esta é a mensagem que ouvistes desde o princípio: que nos amemos uns aos outros. Não como Caim, que era do maligno… Qualquer que odeia a seu irmão é homicida” (1 João 3:11-12, 15). E quando ele disse que “qualquer que disser a seu irmão: Raca, será réu do sinédrio; e qualquer que lhe disser: Louco, será réu do fogo do inferno” (Mateus 5:22), ele estava falando sobre a violação do sexto mandamento com a boca. “Raca” e “louco”, nesse contexto, referem-se a palavras ofensivas de ódio que as pessoas dizem, como o Velho Testamento também já ensinava:

SALMO 5
(9) Porque não há retidão na boca deles; as suas entranhas são verdadeiras maldades, a sua garganta é um sepulcro aberto; lisonjeiam com a sua língua.

SALMOS 64
(1) «Salmo de Davi para o músico-mor» Ouve, ó Deus, a minha voz na minha oração; guarda a minha vida do temor do inimigo.
(2) Esconde-me do secreto conselho dos maus, e do tumulto dos que praticam a iniqüidade.
(3) Que afiaram as suas línguas como espadas; e armaram por suas flechas palavras amargas,
(4) A fim de atirarem em lugar oculto ao que é íntegro; disparam sobre ele repentinamente, e não temem.

SALMO 140
(1) «Salmo de Davi para o músico-mor» Livra-me, ó SENHOR, do homem mau; guarda-me do homem violento,
(2) Que pensa o mal no coração; continuamente se ajuntam para a guerra.
(3) Aguçaram as línguas como a serpente; o veneno das víboras está debaixo dos seus lábios.

Isso prova que, em Mateus 5:21-22, Jesus não deu nenhum mandamento novo, mas somente explicou e defendeu o verdadeiro sentido que o sexto mandamento sempre teve. A explicação de Jesus foi ensinada por Moisés desde os primeiros capítulos do Gênesis. O sexto mandamento não é violado somente nas ações externas, mas também no coração (através do ódio) e na boca (através das palavras ofensivas de ódio). Isso não era ensinado corretamente pelos escribas e fariseus, mas era verdadeiramente ensinado pela lei e pelos profetas, que Jesus não veio para ab-rogar O Sermão do Monte inteiro é isso: explicações dos mandamentos do decálogo.

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s